outubro 13, 2006


escritos e entrevistas > e mail e fax > ver mensagem
De:
Para:
Assunto: Matemática na (Casa da) Música e Música na Matemática
13-10-2006

Foi na Casa da Música do Porto, nos dias 6 e 7 de Outubro, que se realizou um singular encontro entre músicos e matemáticos, aberto a todos os interessados. Não houve "propina" de inscrição, o que nos tempos que correm não deixa de ser uma agradável surpresa.
Deste congresso transpareceu nitidamente a ligação de muitos séculos existente entre a Música e a Matemática.
Basicamente houve duas espécies de conferências, conforme o tipo de dinamizador: matemáticos e compositores ou musicólogos. Matemáticos que falam dum ponto de vista artístico e músicos que se expõem quanto à forma de compor e ver a música, analisando-a matematicamente.
As conferências (programação disponível em www.fc.up.pt/cmup/musmat) pautaram pela diversidade e qualidade, quer pelos conteúdos matemáticos envolvidos e pela profundidade da análise musical, como pelo realce dado à relação música - matemática.
Houve algumas etapas essenciais e recorrentes - Pitágoras e Buecio foram exemplos disso.
Ficou-se a saber que a Escola Pitagórica dividiu a Matemática em 4 capítulos:
-a Aritmética das quantidades discretas estáticas
-a Geometria das grandezas estacionárias
-a Astronomia das grandezas dinâmicas
-e a Música das quantidades discretas em movimento!
Os conteúdos matemáticos referidos foram imensos: desde as simples proporções, as simetrias, a análise combinatória, a sucessão de Fibonacci ou o célebre número de ouro, até aos mais elaborados e profundos como a função logística, a estrutura de grupo, os fractais ou a série de Fourier.
É de realçar o carácter prático de algumas das conferências proferidas por músicos que permitiu acompanhar a audição de segmentos de obras com a leitura da respectiva pauta ou a identificação de vários sons no mesmo instrumento e em diferentes instrumentos.
Os Workshops e os Concertos (que tiveram lotação praticamente esgotada) foram ao fim de cada tarde. Nos workshops foi feita a utilização de programas informáticos na busca de sons, na geração automática e na improvisação musical. Nos concertos foram apresentadas obras electrónicas transmitidas através de 8 canais, composições onde o piano vinha misturado com sons electrónicos, ou interpretaram-se obras de Xenakis. Ouviram-se ainda obras de compositores presentes no congresso, que as apresentaram comentando-as.
Tendo tudo isto em conta, apenas resta referir que:
"A Música é um exercício oculto de aritmética de uma alma inconsciente que lida com números" - Leibniz, 1646-1716
"Todo o céu é música e harmonia" - Joannes Kepler, 1571-1630
" Há relações íntimas entre temperamentos e fracções contínuas" - Professor de Matemática António Machiavelo.
"A Música está assombrada pela Matemática" - Professor de Matemática Pura Samuel Lopes.
"A Matemática e a Música são dois subconjuntos dum universo tocante" -Professora de Matemática Isabel Quinta.
"A Matemática e a Música, duas irmãs gémeas que nasceram na e da contemplação das estrelas" - Professora de Matemática Isa Monteiro
"É preciso introduzir perturbações nos sistemas!" "Nada é dado, tudo é construído" - Compositor António Sousa Dias.
"Há temas que são intrínsecos à natureza humana e que fazem diluir as divergências políticas e adormecer a arrogância. Excelentes exemplos são a Música e a Matemática."


Isabel Viana

2 comentários:

Terrible disse...

Nunca tinha visto a música e a matemática como complementares. Mas que realmente a música facilita a compreensão da matemática...
fique bem stor

Juliano disse...

Venho acompanhado a aplicação da matemática fractal a vários ramos da arte. me interesso muito por tais funções pois representam a mais nova geomatria, que ocupa lugar único quanto a representação da natureza. se a musica e a matemática vieram da observação da natureza... devem reinterpreta-la seja como for!

Interessantíssimo é o fato de que a a casa da música é um edifício que toma a teoriafractal como formadora, geradora e influenciador a de partido arquitetônico estando assim totalmente em sintonia com o encontro entre a nova matemática e a arte.